Movimento que fizemos para a feira não mudar de lugar

Seja com geada, seja com chuva, uma certeza que os jordanenses têm é a de que, ao raiar do sol, aos sábados, as barracas da feira estarão armadas na Abernésssia.Também fui feirante. Tive banca no Mercado Municipal. Comecei a produção em 1983 e me tornei amigo de muitos deles. Alguns continuam a participar da feira. Sei também o quanto é cansativo ter que colher, encaixotar e vir para a cidade de madrugada. Só que esse tipo de trabalho nunca gerou reclamação entre os feirantes. A queixa deles era outra: ter que atender à ordem para sair do polo de estacionamento.

Mudanças deixavam consumidores perdidos

Isso acarretava uma desorganização geral. Aqueles que chegavam primeiro, pegavam o melhor lugar, não importando se eram feirantes antigos ou não. Também os consumidores ficavam perdidos, sem saber da localização exata das barracas. Por causa da minha relação antiga com os feirantes, me ofereci para ajudá-los. Fizemos um grande abaixo assinado e expusemos para a população e para o prefeito a importância de não se remover mais a feira de lugar, mantendo-a definitivamente no polo. Obtivemos esse compromisso e todos saíram ganhando.

Defendendo os feirantes para que eles não sejam mais retirados do polo